Aprendi com as formigas!


    Acabei de ver duas formigas hoje tentando subir na parede e fiquei a observá-las;   Por minutos  As duas subiam com uma fagulha de pão ás costas, me dando a impressão de que o peso para elas comparava-se a uma enorme montanha.  Ao observá-las  mais e mais eu me prendia e me rendia aos encantos daquela situação, não somente das duas formiguinhas mas de todas que faziam o trajeto . As formiguinhas  desciam já livres de suas cargas e gentilmente desviavam do caminho, parecendo entender o sacrifício das duas que subiam, e estas coitadinhas davam o seu Maximo, o seu  possível , o seu limite e até o seu impossível  para conduzir aquela enorme e pesada faísca de pão! Por vezes seguiam em linhas reta uma a frente puxando e a outra atrás segurando, às vezes parecia estar preso ao chão, aquele minúsculo pedacinho de pão e tamanho era o esforço que faziam pra movê-lo do lugar que elas rodavam com as perninhas no ar, sem soltar as garrinhas do tão necessário, precioso difícil e sagrado alimento, e  assim elas arduamente continuavam a sua luta e esforçada caminha e tinha horas , que a de traz até voava em circulo para substituir a que  puxada  na frente trocando de lugar e como que por encanto andava de ré, ai eu observava e imaginava ; Assim teria que ser a sociedade!  Fazemos muito o nosso papel que ás vezes e apenas seguir em frente, não paramos pra olhar aquele que vem tentando  chegar, de ré,  em circulo, se arrastando,  voando ou até mesmo dando cambalhotas, existem muitas pessoas ao nosso lado com suas limitações e dificuldades fazendo suas peripécias pra sobre viver, e as vezes mesmo estando tão próximo a nossa solidariedade não supera a dos animais até mesmo daqueles minúsculos bichinhos. Achamos difícil colaborar ou ceder o nosso lugar! E assim com as formigas eu me encantei tanto que não conseguia parar de observá-las.  Naquele trajeto elas caminhavam ao inverso, parecia  mais um dança louca noutras vezes voavam em círculos invertendo os seus lugares no desempenho de seus papeis, pequeninas operárias fraternas  e justas  na necessidade e obrigação de seus deveres, o desejo de viver, sobreviver era maior que  ás dificuldades encontradas no caminho! '' Quero dizer amigo; Que mesmo aqui devagarzinho em pro da nossa sobrevivência temos que fazer o que tiver que ser feito, não importa se teremos que inverter os papeis,  andar cambaleando, saltando em circulo ou de ré, talvez as nossas cambalhotas comparadas as da formigas não seja tão sacrificantes se levarmos em conta o seu minúsculo tamanho, elas nos ensinam e tanto! Chego a imaginar que sua cabeça quase inexistente e mais sabia que a nossa  e o seu exemplo de justiça,  luta e garra que nos superam e muito! Por exemplo;  Exercer um gesto de amor companheirismo, ser fraterno ajudar um idoso atravessar a rua, não temos que caminhar de ré pra exercer essa bondade, nem temos que dar saltos maiores que nosso corpo pra conseguir um pedaço de pão''O importante e querer chegar ao objetivo certo. Sem que sobre carregue, explore ou sejamos injustos com nosso próximo diante  desta lição devemos e nos perguntar; Nós como família estamos nos portando como as formigas? Somos solidários com quem esta ao nosso lado dividindo espaço e tarefas? Muitos adultos vivem como se a mãe fosse á empregada e o pai o seu escravo afirmam que a obrigação e toda dos pais porque não pediram pra nascer  e normal se ouvir isso hoje em dia, de filhos que nem mesmo arrumam suas camas, e como sociedade? Somo-nos iguais ou melhores que as formiguinhas? Estamos dando vez, passagem e oportunidades para que as pessoas consigam se superar e alcançarem seus objetivos? Não precisamos nós questionar muito pra saber que no meio do caminho de muita gente existe sempre um obstáculo, uma pedra ou ate mesmo pior que isto o mais cruel dos sentimentos o egoísmo que ainda e um fator primordial que leva muitos a se esquecer do outro e pensar só em si esquecendo o mandamento cristão  amar ao próximo como a si mesmo.  E qual e o próximo mais próximo de nos? Senão nossos pais,  parentes e vizinhos? Qual o próximo mais próximo de nos senão aquele que amanhece ao nosso lado divide o mesmo espaço  trabalhos e responsabilidades? Na lição das formigas isso e bem claro nas duas que juntas procuravam o melhor ângulo e espaço pra garantir o seu sustento elas se viravam no que podiam  andavam pra frente, de ré, em circulo e até voavam, trocavam de lugar, mas em nenhum instante foram individuais. Nisso fica o exemplo se duas pessoas, parentes ou não convivem no mesmo espaço  e natural dividirem as tarefas  e obrigações já diz o ditado;’’ Uma andorinha só não faz verão!’’ assim como as formigas devem se espelhar a família, comunidade e sociedade, enfim assim deveria ser a lição a todos os seres humanos que na maioria se julgam grandes e inteligentes, mas que o seu intelecto só age e veem em  prol do seu próprio umbigo.
 Esta foi  a lição que aprendi eu aprendi com as duas formigas hoje.

Marlucia Divina da Silva Medeiros