Os meus amores



      Não foram  apenas ‘’ Ezequiel, Pedro, ''Bil'', Nevio, Jose, Sandro, Junior’’LESSIO... Que eu amei. Na experiência de tantos amores, sofrimentos e perdas,, tentei eternizar cada um em minhas memorias, mas quantas vezes eu amei de verdade, através das cartas que eu tinha que ler as  escondidas e as pressas e que nem mesmo eu poderia  ter o prazer de guardá-las? Restando-me apenas rasgar e  jogá-las na correnteza de um rio! Quantas vezes eu amei os teus olhos negros  Ezequiel!  Que insistiram em permanecer em mim, através da janela das minhas lembranças, o beijo roubado às escondidas ouvindo o culto atrás da casa, porque na crença de seus pais o meu cabelo era curto e isso  jamais me deixaria entrar no céu, e nesta mesma janela  recordo também as românticas canções do rei que apaixonados dançamos  ao luar.  Imagino as águas  transparente dos rios, lagos e  represas. Enfeitadas por lírios brancos onde muitas e muitas vezes  banhamos os nossos corpos você eu Ruth, Raquel e Ester! Eramos ainda crianças eu com treze e você dezessete,e gostávamos um do outro com a pureza do primeiro amor, e só o estar perto já era o suficiente pra sentir que aqueles momentos eram únicos e eterno e que eu procuraria mais tarde viver em outros amores, o passado distante me vem tão nítido e claro que chego a sentir o perfume das flores que enfeitavam o nosso lago preferido, com as borboletas multicores a sobrevoarem  sobre os lírios brancos.  Há  Jose! Quanta saudade  dos teus olhos verdes, negros, e azuis.  Viajo nas lembranças dos filmes nos embalo da noite da chuva que refrescou nossos abraços e beijos quentes, quase passando do limite! Quantas e quantas vezes debaixo do mesmo luar e sobre o brilho intenso das estrelas e que  juntos nós contemplamos em plena natureza o desenrolar ardente do nosso amor. Quantos sonhos, lembranças e saudade dos passeios de mãos  dadas, das  canções e serenatas constantes da canção perfídia e que ao avir de tanta emoção até me fazia passar mal, e eu não podendo nem mesmo abrir a janela, em agradecimento lhe dar um beijo de amor. Não somente foram, seis, sete, oito vezes que perdidamente eu amei...  Em todo esse tempo que passou  embora sabendo que ninguém,  me amou e que nenhum amor deste seria meu pra sempre, pois ninguém e de ninguém; Também ouve aquele que por mim passou feito um vendaval deixando fortes marcas e cicatriz no meu peito, em cada lágrima que chorei  também foi por ti o pranto que eu derramei, embora fosse o meu amor,  foi também o melhor amigo que o mundo real me deu.  Sei  que as histórias no meu coração se repetem elas chegam e não pedem licença simplesmente entram e habitam, e nos meus sentimentos se fazem hospedes me proporcionando o amor, e a felicidade, mas com a mesma rapidez e  intensidade elas se vão sem me dar explicação  me deixando somente o sofrimento,  perda e  dor, mas em contra partida em meu raciocínio deixo a razão comandar assim  me vem também o consolo. Sei que nos formamos na vida, ela e a nossa escola e só através  dos sofrimentos e das perdas e que adquirimos o aprendizado, e eu tive um tempo suficiente pra saber que aprendi, com cada amor que por mim passou  eu adquiri uma lição diferente, aprendi porque os amei, dei a cada um o melhor, e aos demais que passaram por mim, fingindo e dizendo querer me amar, verdadeiramente a minha maneira eu  os amei, porque não sei receber sem me doar, sem amar, foi amor da minha parte , pois o menor gesto que eu venha a fazer nunca foi e nunca será pela metade, mas se quer saber você que passou tão rápido parecendo um cometa eu sempre te amei, ainda te amo e sempre vou te amar, embora tenha apagado por tantas  vezes as minhas lembranças rápidas em ti até mesmo o meu poema  que eu ti fiz, fizeste a delicadeza de apagar no teu perfil, mesmo assim continuarei a espera  de outro hospedeiro no meu coração, buscarei a minha’’ alma gêmea ‘’com aquele mesmo brilho que eu vi no fundo dos teus olhos verdes’’. Porque um limão maduro ou até mesmo podre  podem ainda as suas sementes serem úteis, e dar uma nova plantação, podendo render novos e muitos sucos, manjares, doces e frutos.

Marlucia Divina da Silva Medeiros